Darwin, por Toni d'Agostinho

Este blog homenageia o cientista Charles Darwin (acima, no desenho de Toni d'Agostinho) que desvendou a origem da vida.

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

A LÓGICA DEÍSTA







A lógica deísta é digna de comiseração, pela pobreza. Deus é bom, deus é justo, deus tudo sabe e tudo vê, nada acontece no mundo sem intervenção de deus (a célebre frase da folha que cai...), enfim, deus é o responsável por tudo, absolutamente tudo o que acontece sobre a terra, inclusive sobre o destino dos seres humanos.

Vamos ficar apenas em um dos aspectos dessa "intervenção divina": quando deus resolve punir os homens.

Se você ler a bíblia cristã, por exemplo (e o livro que usaremos como referência, por ser o cristianismo a seita predominante no Ocidente), poderá constatar que, nesse quesito, deus só interfere pessoalmente em uma única ocasião: ao expulsar Adão e Eva do paraíso, porque, presumivelmente, eles foram enganados por uma cobra falante que os levou a comer de um tal de "fruto proibido", que ninguém até hoje identificou se era mesmo um fruto ou metáfora para outros "frutos" muito mais saborosos.

A partir daí, todas as vezes que ele, o deus todo poderoso, se preocupou com o pecado humano, com as safadezas que o gênero humano - que ele criou à sua imagem e semelhança - comete por aí, ele usou de subterfúgios. Mandou um vulcão destruir cidades, inundações cobrir o "mundo", raios atingirem pessoas, pestes trucidarem populações inteiras etc., etc., etc.

Ou seja: em nenhum momento ele apareceu pessoalmente e cumpriu as ameaças que sempre fez àqueles que "pecavam". Bem, dirão os teólogos, deus é grandioso demais para aparecer diante do homem e se preocupar com puni-los pessoalmente. Ora, diremos nós, se ele é assim tão portentoso, por que se preocupa, por exemplo, com a fornicação dos homens, com quem está trepando com quem, quem está dando o quê, se foi ele mesmo que criou todas as criaturas e, especialmente o homem, com todos esses desejos "inconfessáveis", inclusive o desejo da carne, com tanta importância e poder, que é o responsável pela procriação, sem ele o homem desapareceria da face da Terra. E esse desejo incontrolável, muitas vezes, pode ter destinos bem pouco heterodoxos, a pensar no que deus queria para ele, quando nos lembramos de Adão e na Eva lá de cima, expulsos do paraíso porque foram surpreendidos enroscando-se no doce pecado da carne. Ou seja: se deus tinha em mente que o sexo só devia ser praticado entre um "adão" e uma "eva", por que permitiu que o desejo se estendesse também a seres do mesmo sexo e crescesse a ponto de haver incontáveis formas de desejo?

Além disso, se ele é assim tão grandioso, tão poderoso, por que se dignou a ir pessoalmente dar um chute no traseiro de suas primeiras criaturas? E se ele é tão justo e tão bom, por que punir essas criaturas logo no primeiro deslize? Não tem ele uma capacidade infinita de perdão? Não dizem muitos que basta uma pedido de perdão, para que qualquer pecador arrependido seja salvo? Por que deus não perguntou aos dois primeiros seres humanos se eles se arrependiam? Não consta que haja na bíblia qualquer referência a isso.

Mas, fugimos um pouco de nosso objetivo: o que eu queria mesmo dizer é como esse deus é covarde. Só teve coragem de intervir para expulsar os dois pecadores do paraíso. Nunca mais lhe ocorreu aparecer e colocar ele mesmo as coisas nos eixos, dizendo para uns e outros que pecaram: olha, aqui, meu chapa, você desobedeceu e agora vai sofrer, vai morrer, vai ver seus filhos morrerem etc.


Nada disso: a vingança desse deus tão "misericordioso" é sempre mandar uma peste, uma inundação, um vendaval, um grande incêndio, um maremoto, um vulcão, eventos que matam indiscriminadamente "pecadores" e "inocentes". E como sempre tem um ou dois (ou até mais) dentre milhares que se salvam, nas grandes tragédias, esses ainda têm a coragem de dizer: "graças a deus, eu me salvei"!




Nenhum comentário:

Postar um comentário